quinta-feira, 19 de maio de 2011

Dela pra ele.

Ruelas, praças, igrejas, casebres, inscrições.

Eu sei que isso não vai durar, talvez porque eu seja uma 'desfazedora' de relações e/ou destruidora de corações, mas cada dia eu descubro mais coisas que temos em comum, o que aumenta a intensidade. Isso é bom.

Quando você ouvir violinos, sentir algum cheiro específico, conseguir uma casinha em algum centro histórico, cantar pato fu, for bombardeado com cosquinhas, subir naquela igrejinha, visitar um cemitério, achar alguém simpático ou descobrir as covinhas do teu sorriso, lembre de mim e pense nesse dia.



Não poderia ter sido melhor ao lado de outra pessoa.


---


Beijão pra quem leu!

2 comentários:

Nah disse...

Por que a gente tem o grande defeito de acabar com tudo aquilo, que parece, que nos faz bem ?

Maria Luísa disse...

que lindo isso