sábado, 10 de setembro de 2011

Essa minha dependência não foi programada por mim.
Não nasci e decidi usar seu dinheiro,
não mandei comprar fraldas, ou não investir nos meus estudos.

Percebam: eu cresci.
Hoje poupo até as calcinhas pra não ir além,
já que vocês optaram pelo lugar mais caro pra eu morar.

Trocaria todo conforto do mundo por uma conversa longa,
uma conversa onde eu conto tudo e vocês fingem que se interessam.
Queria contar pra vocês sobre meus problemas.

Volto e faço baterias de exames,
"a culpa é da cachaça".
Ah, se eles soubessem que a única cachaça da minha vida é o silêncio.

3 comentários:

caio moretti disse...

Maldito seja o silêncio que embriaga! Seguido de uma ressaca que só te permite balbuciar algumas letras, busco minha reabilitação nas rodas de amigos. Quando tudo me parece falhar, me interno em um curso de comunicação.

Léo Rigotto disse...

É EXATAMENTE ISSO, End.
E o Caio ainda evidencia a grande ironia da história.

enD disse...

LINDO, Caio!! Léo, concordo plenamente!!

Lindo, lindo e lindo!