terça-feira, 4 de junho de 2013

Cabelo curto

Pra ter esse cabelo tem que ter disposição!
Haja saco pra acertar o redemoinho, pra comprar roupa de menina pra não ser confundida, e pra se arrumar na tentativa frustrada de ficar bonita.
Eu AMO cabelo curto. Acho ridículo reclamar de cabelo, porque tê-lo já é ótimo. Mas errei o momento pra surtar e cortar a cabeleira. Eu tenho sérios problemas com essas crises de mês, no auge do período hormonal, onde a mudança tem que aparecer, você têm que se destacar pra si mesmo, precisa mudar e vem a mudança em você! É o momento crucial da nova fase... do mês ou da vida.
O problema está nisso. Fazia pouco tempo que havia surtado, nessa onda de mudança. Muitos trabalhos (pasmem, alguns remunerados!) e pouco tempo pra pensar. Quando parei pra me ver, eu não me achava!! Havia mudado, e ali tinha muito cabelo, muita roupa velha e antiquada: eu não era mais eu! Precisei resolver logo o dilema, mas no momento de surto, em uma segunda-feira onde não existem salões abertos no mundo, eu descubro um salão (que já teve seus momentos de glória), aberto, com horário vago (nunca confie em salões que abrem segunda-feira e têm horário vago!!!). Saquei dinheiro, corri pra ele e cortei o cabelo.
CHOQUE! Olhei pro espelho e não me vi nem velha, nem nova. Me vi Willy Wonka estilo Jhonny Depp, pronta pra apresentar a fábrica pras cinco crianças sortudas. Chorei, choquei, xinguei. Fui pra casa pensando: se não era aquele corte, qual seria? Onde eu estaria?
Já me vi em fases assim, de mudanças gigantescas. Mas parece que agora eu quero mudar a cada segundo, porque as fases têm passado rápido, com força e intensidade. Pessoas e coisas lindas apareceram na minha vida, junto com uma (ironicamente) força na peruca, que me fez confiar no meu taco profissional. Porém, só profissional.
A falta de tempo pra olhar pra mim (a falta de otimização do tempo, na verdade) e de tentar me encontrar nesse novo corte, tem me deixado com a auto-estima parada lá no mínimo.
É coisa de gente tonta esse tipo de papo, principalmente esse tipo de preocupação. Só que tô sentindo falta de me sentir bonita, de me encontrar todo dia no espelho, vendo a mesma coisa chinfrim de sempre, mas a mesma coisa satisfeita com tudo.

Um comentário:

Gabriel Gomez disse...

Você ÉÉÉ linda! Deixa de bobeira, bagunça esse cabelo estilo leãozinho e sobe essa auto-estima!