quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Falta pulso pra decidir se deixo mais um partir,
porque é tanto desapego quanto a mim,
que me parece estranho ter alguém afim,
além de estar junto, querer sempre vir.

Um morro me separa da realidade,
me tira do espaço onde existe gente contente,
tomando cachaça, sorrindo com todos os dentes,
penso viver em outra cidade.

Aqui eu vivo olhando pra minha vida,
me culpando por pequenos erros do dia,
chorando pelo que já fui, sem alegria,
e por essa mania de correr da partida.

Inúmeras vezes eu erro ao dizer que gosto,
porque gosto é controverso,
a hora de dizer que gosta é como um verso,
que pra mim é como cadeira sem encosto.

É tão difícil que vivo na dúvida,
na vontade de perguntar como tem sido,
se a pessoa sente algo parecido,
ou se eu estou errando, em dívida.

O melhor a fazer é tentar dormir,
porque ainda é cedo,
pensar sempre me deixa com medo
de alguém ouvir e tentar intervir.

Um comentário:

Léo Rigotto disse...

Confesso, fiquei com medo de pensar.
:)