quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Queria voltar ao normal, Nao viver mais nessa sinfonia de choro, Nem precisar de companhia pra sentir que estou viva. Essas crises são tão horrorosas Que precisam levar no nome pelo menos um adjetivo, Pra que não tenham dúvida do que se passa dentro da gente. Hoje me tranquei de novo. Meu corpo precisava da energia da minha casa, minha comida. Mas eu cansei de mim! Das tempestades que crio a partir de anseios meus, Que externalizo na forma de vomito verborragico, Insultando e insinuando coisas que eu só pensei. Todo dia penso que vai passar, e no auge da minha independencia mental, me vejo brigando com a chuva, pra que ela deixe o menino vir me cuidar. É uma crise interna, egoísta e mesquinha.

Um comentário:

Rangel Goulart Cabral disse...

Gata, eu sei que ninguém ajuda ninguém nessa terra de gigantes, e eu sinto a solidão tão próxima que as vezes nao sei diferenciar quantos de mim existem, ou até mesmo se existe! Haha mas estamos juntos, estamos todos presos em um jogo onde a graça significa tudo. Perdeu a graça perdeu o jogo. Onde pode estr a graça das coisas? Eu sinto como se a vida soubesse o momento certo de contar a piada saca? E quanto a chuva... Eu ja briguei tantas vezes com ela pro menino vim cuidar de mim Tbm, e olha que estamos em terra de gigantes hein?! Ja leu alguns dos meus textos? Da uma olhadinha lá depois... Acho q a gente vai dialogar de uma forma muito boa =D